DE 12 A 29 DE NOVEMBRO DE 2015

Perez & Prado Antiquários e Café Savana têm o prazer de convidar para a exposição de gravuras de Victor Vasarely (Pécs, Hungria, 1908 – Paris, França, 1997). Pertencentes ao acervo de Perez & Prado, as sete obras selecionadas compõem o álbum “Dez Composições”, uma homenagem do “Pai da Optical Art ou Op-Art” ao centenário de nascimento do músico húngaro Béla Bartók (1881-1945).  Cada gravura tem o título de uma composição de Bartók e é acompanhada de poema de autor húngaro famoso, cujo texto está emoldurado no verso.  A técnica utilizada foi a “Screen Print Technology” em “Wax-dipped Carton” e a edição exposta é a de número 36 de uma tiragem de 90 exemplares.  Datadas de 1981, as gravuras são assinadas e numeradas pelo autor a lápis.  A respeito das composições gráficas de Vasarely, pode-se dizer que fazem jus às musicais de Bartók, que lhes serviram de inspiração.

Local
Café Savana: SCN 116 Norte Bl A, Lj 04

Biografia

Victor Vasarely (Pécs, Hungria, 1908 – Paris, França, 1997)

 1918 – Budapeste;  1927 – Faculdade de Medicina de Budapeste, que logo abandona; ingressa na Academia Podolini-Volkmann e na escola de artes gráficas Mühely, dirigida por Sándor Bortnyik, ex-aluno da Bauhaus; dedica-se ao design gráfico; familiariza-se com o movimento Bauhaus e os trabalhos de Klee, Kandinsky e Albers;  1930 – casa-se com ex-colega de escola, com quem tem 2 filhos e se radica em Paris; designer gráfico em empresas de publicidade (Havas, Draeger e Devambez); década de 30 – primeiros resultados gráficos impotantes, com base em efeitos de textura e de sombra em perspectiva de luz (“Girl Power”, 1934; “Chess Board”, 1935, e “Zebras”, 1937); 1934 –  exposição coletiva na Galerie de la Pléiade, Paris;  II Guerra Mundial – enfrenta dificuldades financeiras e realiza diversos experimentos, produzindo quadros cubistas, futuristas, expressionistas, simbolistas e realistas, sem adquirir um estilo próprio;  após o conflito, abre o ateliê de Arcueil, nos subúrbios de Paris, onde, inspirado em seu passado de designer gráfico e sua preferência pelas formas geométricas, cria as primeiras obras em Optical Art ou Op-Art;  1943 – inaugura sua própria agência de publicidade;  1944 – exposição individual da Galerie Denise René, Paris;  1950/1960 – a fase “Black and White” marca definitivamente seu estilo, ao introduzir, pela primeira vez, a sugestão do movimento inexistente, criando uma nova relação entre o artista e o espectador, que deixa de ser elemento passivo e passa a interpretar livremente a imagem, em diversos cenários visuais concebíveis;  desenvolve e define os elementos básicos da Op-Art; 1951-1952 – decorações murais para a Cidade Universitária de Caracas, Venezuela; 1955 – exposição “Le Mouvement”, na Galerie Denise René, com Jesús-Rafael Soto, Yaacov Agam, Pol Bury e Robert Jacobsen, que o consagra como um dos expoentes da arte cinética; 1970 – .criação do Museu Vasarely em Gordes, França; 1971 – criação da Fundação Victor Vasarely em Aix-en-Provence, França; 1976 – trabalha na obra instalada no Centro Pompidou, Paris;  criação do Museu Vasarely em Pécs, sua cidade natal; 1982 – 154 serigrafias vão para o espaço, na nave franco-soviética Salyut 7, e, posteriormente,  são vendidas em benefício da UNESCO;  1986 –  criação do Museu Vasarely em Budapeste (mais de 400 obras); década de 90 – dedica-se aos museus e viaja constantemente a Budapeste, após a queda do regime soviético.